O XALE... O LENÇO... A CONEXÃO COM SEU MANTO SAGRADO

xales

O Xale… O Lenço… A conexão com seu Manto Sagrado

Para os povos nativos, simboliza o retorno ao lar, aos braços da mãe Terra, estar protegido e acolhido pelo amor da Grande Mãe. O xale surgiu quando os povos indígenas não conseguiam mais viver no mundo dos brancos e necessitam se conectar com a sabedoria de seus ancestrais. Quando tecemos nosso xale e nos enrolamos nele, nos reconectamos com a força da Mãe Terra e de nossa Ancestralidade Sagrada. Usar o Xale é honrar a necessidade de retornar ao próprio lar, de buscar equilíbrio nos braços da Grande Mãe e dos Ancestrais Sagrados…. É voltar ao encanto e magia da simplicidade de amar e ser amado, simplesmente por ser quem se é.
“Tome seu xale e sinta também a responsabilidade de amar os outros, de amar aqueles que se esqueceram de trilhar o caminho sagrado, e que não encontraram ainda seu caminho de voltar ao lar” – JAMIE SAMS.
Em seus mais diversos formatos, cores e materiais, os xales sempre foram usados pelas mulheres em todos os quadrantes do planeta. Podem entrar e sair de moda, mas sempre retornam para nos aquecer, proteger e também embelezar, porque beleza não é luxo, é necessidade, como diz a poetisa mineira Amélia Prado.
As mulheres Incas usam seus xales presos por um broche (Tupus), um artefato que possibilitou aos arqueólogos identificar estátuas ou múmias como sendo do sexo feminino. Quando membros da raça vermelha dos nativos americanos decidiram retornar aos ensinamentos de seus ancestrais, chamaram este movimento de Tomada do Xale.
A mesma ideia do xale como os braços amorosos da Grande Mãe é expressa entre os celtas na figura de Brigid, como a Senhora do Manto. O Manto da Deusa não apenas cobre e protege todo o território, mas também envolve cada pessoa que recorre a ela por proteção. Os fios de seu manto são os filamentos que conectam todas as coisas em uma grande Teia de Vida. O manto de Brigid fazia parte do equipamento das parteiras celtas, que o colocavam sobre a parturiente para assegurar um bom parto. Também era usado para envolver qualquer parte do corpo que estivesse dolorida ou ferida, porque ajudava na cura.
Universais e acolhedores, os Xales são símbolo de inclusão e amor incondicional, que envolvem, confortam, cobrem, abraçam, protegem e embelezam, escreve Janet Bristow que, junto com Victoria Galo, fez do prazer de tricotar e “crochetar” uma prática de espiritualidade feminina, criando xales portadores de orações e bênçãos, para distribuir entre os necessitados de conforto.
Além disso, à medida que o outono avança e a temperatura declina, nada como um xale acolhedor envolvendo os ombros, para nos proporcionar uma sensação de calor e bem-estar.
Diante de tudo isso, quando pensamos na “Guardiã do Xale”, nossa ideia era de que uma mulher do círculo pudesse ocupar e ancorar esse honroso e importantíssimo lugar: aquela que envolve, conforta, cobre, abraça, protege e embeleza todas as pessoas do círculo com sua acolhedora e amorosa presença. As formas de realizar isso são muitas, e ficam à critério da imagina-ação de cada uma. Mas por certo, esse é um rico aprendizado, que possibilita ancorar no grupo a presença da Mulher Sábia, Portadora do Xale, o que tem reflexos profundos em nossa própria vida…
Sigamos juntas, tecendo os fios desse amoroso e acolhedor Xale de Retorno à nossa própria Casa!
Por: Patricia Feldman
https://omundodegaya.wordpress.com/2017/05/29/o-xale-o-lenco-a-conexao-com-seu-manto-sagrado/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ENSAIO SOBRE SEXUALIDADE E A GEOMETRIA SAGRADA

A JORNADA DO FEMININO AO SAGRADO

AS DEUSAS NA MULHER - VAMOS CONHECER E ATIVAR AS DEUSAS - PAULO ROGÉRIO DA MOTTA